Novela Pantanal mostra dilemas da sucessão familiar no agronegócio

 Batendo recordes de audiência, o remake da novela Pantanal (Rede Globo) tem trazido um debate importante sobre a continuidade dos negócios quando é hora do pai escolher seu sucessor. Na trama, o personagem Zé Leôncio construiu um império. O patrimônio do fazendeiro reúne sete propriedades, muito gado de corte e leite, avião particular, mas a dúvida sobre quem vai assumir os negócios o atormenta.

Na novela, o “rei do gado”, que é pai de três filhos, tem a preferência de deixar os negócios para o filho Joventino. Ele foi o único que estudou e tem capacidade para gerir, mas seus princípios em defesa dos animais não o deixam confortável para dar continuidade na operação atual das empresas do pai.

Segundo Eduardo Valério, especialista em governança corporativa e CEO da GoNext Governança e Sucessão, o herdeiro que vai encarar o processo de sucessão precisa reunir uma série de quesitos para dar longevidade à empresa. “Iniciar o processo sucessório com bastante antecedência é o ideal. É um trabalho que se constrói devagar, que precisa ser maturado em conjunto entre sucessor, sucedido e todo o ambiente empresarial, para que a transição de legado ocorra de forma eficaz”, pontua o especialista.

Valério explica que, neste caso, um conselho de herdeiros e sucessores proporcionaria o conhecimento necessário sobre os negócios da família, e também o entendimento e alinhamento de propósitos, direitos, responsabilidades e papéis na família empresária.

Inovação

O personagem Joventino vai propor ao pai uma forma mais sustentável de manejo do gado. “Além da sucessão, neste exemplo, temos também a inovação. O que o personagem propõe ao pai é a implantação de mais valor aos negócios da família. A governança vai direcionar e monitorar esta transição para que os negócios sigam conforme o planejamento estratégico, e quando saírem do planejado, saber tomar as medidas adequadas no momento certo”, explica Eduardo Valério.

Conheça as dez principais características que o herdeiro deve ter para conquistar o sucesso nos negócios da família:

1 - Competência técnica: ter as atribuições de gerenciamento e a macro visão da gestão do negócio.  

2 - Inteligência emocional: manter o distanciamento emocional das tomadas de decisão da empresa.

3 - Liderança: saber conduzir equipes e liderar pessoas com o propósito de resultados.

4 - Gestão de pessoas e de conflitos: gerir pessoas e eventuais conflitos com foco nos resultados da empresa sem desrespeitar as necessidades dos colaboradores.

5 - Comprometimento: estar alinhado com a missão e visão da organização.

6 - Criatividade: ter atitude visionária diante do mercado.

7 - Saber correr riscos calculados: saber o momento de ousar diante das exigências do público e mercado.

8 - Espírito empreendedor: conseguir empreender novas formas de ações diante de crises ou no lançamento de novos produtos e serviços fará a diferença.

9 - Foco: alcançar metas e objetivos conforme planejamentos resultará numa boa gestão.

10 - Comunicação eficiente: essa é uma das bases para ser um bom gestor. Saber ouvir também é característica de um executivo de sucesso.

 

Sobre a GoNext Governança & Sucessão: consultoria especializada na implantação do sistema de governança corporativa e sucessão em empresas familiares. Fundada em 2010, atua com metodologia exclusiva para a profissionalização, elaborada a partir da experiência adquirida em aproximadamente 200 projetos atendidos no Brasil e nos EUA. A equipe de consultores desenvolve planejamento personalizado, de forma integrada aos objetivos e necessidades de cada cliente. A GoNext foi fundada pelo CEO Eduardo José Valério, com mais de 25 anos de experiência como executivo, tendo atuado como C-Level de grandes companhias brasileiras. https://gonext.com.br/ 

Postar um comentário

0 Comentários