Caiado lidera debate sobre fim das “saidinhas” de presos

Agência Cora Coralina de Notícias by Juliana Carnevalli

O governador Ronaldo Caiado voltou a pedir o fim das “saidinhas” de presos como uma das medidas necessárias para combater o avanço da criminalidade no país. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, de São Paulo, nesta segunda-feira (05/02), o governador goiano lembrou que “bandido faccionado não tem medo de lei, e que pessoas de altíssima periculosidade são autorizadas a passar sete dias fora e matam”.

Durante a entrevista, conduzida pelos apresentadores Marco Antônio Sabino e Vitor Lupato, Caiado citou que Goiás não concedeu o benefício de forma ampla e assegurou, via monitoramento, o retorno de todos os presos.

Por outro lado, levantamento realizado a partir de informações das secretarias estaduais mostrou que, no Natal, 56.924 presos tiveram o benefício concedido pela Justiça em 18 unidades da federação. Desses, 2.741 não regressaram, ou seja, 4,8% do total. Em Belo Horizonte (MG), um policial foi morto por um detento beneficiado pela “saidinha”.

O governador defendeu um enfrentamento corajoso das facções criminosas.

“Há governadores que não governam 25% do seu território. E, com isso, as pessoas sofrem. Elas deixam de acreditar no Estado, e isso abre espaço para o estado paralelo. O Estado Democrático de Direito deve dar ao cidadão autonomia, direito de ir e vir e respeito”, afirmou ele, ressaltando a necessidade de reforçar os serviços de inteligência e dar autonomia às polícias.

Resultados

O bate-papo tratou ainda dos resultados da política de austeridade e investimentos na segurança pública em Goiás. Num comparativo entre 2018 e 2023, Caiado destacou que assaltos a bancos e ocorrências de Novo Cangaço foram zerados e houve queda acima de 80% em latrocínios e roubos.

No caso de homicídios, a redução foi superior a 50%. Dados da Secretaria de Segurança Pública apontam que, se em 2018 foram registrados 2.117 homicídios; em 2023, o número caiu para 1.042.

O governador também citou a queda de outros tipos de delitos: roubos a transeunte (-83%), roubos a comércio (-81,8%), residência (-75,9%), carga (-90,6%) e propriedades rurais (-81%).

“Se não tiver coragem de dar às polícias o comando para agir no processo, não resolve o problema. Só passa pano”, arrematou ele, elogiando o desempenho das forças policiais goianas.


Emerson Tormann

Técnico Industrial em Elétrica e Eletrônica com especialização em Tecnologia da Informação e Comunicação. Editor chefe na Atualidade Política Comunicação e Marketing Digital Ltda. Jornalista e Diagramador - DRT 10580/DF. Sites: https://etormann.tk e https://atualidadepolitica.com.br

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Bio Caldo - Quit Alimentos