Bio Caldo - Quit Alimentos

Empresas e produtores rurais impulsionados por crédito de R$ 140 milhões

O DF responde por 10% dos recursos do FCO distribuídos entre janeiro e setembro deste ano às unidades da federação participantes | Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília
O DF responde por 10% dos recursos do FCO distribuídos entre janeiro e setembro deste ano às unidades da federação participantes | Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

Valor é referente ao liberado pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), que permite desde a implantação de novas empresas até a compra de máquinas e insumos


Ian Ferraz, da Agência Brasília | Edição: Saulo Moreno

A produção empresarial e o desenvolvimento agrícola no Distrito Federal ganharam um impulso importante com o crédito de R$ 140 milhões do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) liberados recentemente. Intermediado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda (Sedet), o valor será repassado a dezenas de produtores rurais e empresários.

Com o FCO, esse público pode ampliar e modernizar seus negócios e adquirir equipamentos, como por exemplo os de escavação, caminhões, utensílios para obras civis e também usar o recurso para implementação de energia fotovoltaica.

"Na última reunião nós liberamos em torno de R$ 140 milhões. Isso faz muita diferença para o setor produtivo. Falar de FCO é falar de toda a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (Ride), é um dos principais financiadores da agricultura, por exemplo. São mais de 30 municípios aqui que circundam o DF e que têm acesso a esse crédito através da Sedet", detalha o titular da pasta, Thales Mendes.

Podem solicitar financiamento produtores e empresários – de micro a grande porte – que desenvolvam atividades nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e no Distrito Federal.

Segundo dados do Banco do Brasil, o DF responde por 10% dos recursos do FCO distribuídos entre janeiro e setembro deste ano às unidades da federação participantes. Desse total, 60% foram para o FCO Rural e 40% para o FCO Empresarial. Juntos, somam mais de 1,8 mil contratações que chegam a R$ 778 milhões em financiamentos e geração ou manutenção de 73 mil empregos.

No setor empresarial, foram atendidos programas industriais, de infraestrutura, turismo, comércio e serviços. A área rural participou com as linhas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e outros. Seja rural ou empresarial, os tomadores de empréstimo vão do mini ao grande produtor, com renda bruta anual entre R$ 60 mil e acima de R$ 90 milhões.

Quem deseja obter um financiamento pelo FCO que supera o valor de R$ 500 mil deve preencher um documento, chamado de Carta Consulta, com informações do projeto, produtos, custos previstos, entre outras. Para valores inferiores não é necessária a carta. "Quando o empresário prepara a Carta Consulta, ele precisa indicar quantos empregos estão sendo gerados naquele empreendimento e, no final, a secretaria faz uma somatória relacionando o valor que foi liberado com a quantidade de empregos que foi gerado em toda a região", detalha Thales Mendes.

O FCO é um fundo criado pela Constituição Federal de 1988. Ele foi regulamentado pela Lei nº 7.827/89 com o objetivo de desenvolver a região Centro-Oeste e fortalecer o setor produtivo. As instituições financeiras que trabalham com os recursos do FCO são o Banco do Brasil (BB) e outras conveniadas, entre elas o Banco de Brasília (BRB).

Emerson Tormann

Técnico Industrial em Elétrica e Eletrônica com especialização em Tecnologia da Informação e Comunicação. Editor chefe na Atualidade Política Comunicação e Marketing Digital Ltda. Jornalista e Diagramador - DRT 10580/DF. Sites: https://etormann.tk e https://atualidadepolitica.com.br

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Bio Caldo - Quit Alimentos