Hecad orienta pais a evitarem doenças respiratórias em crianças

Médicos explicam sobre sintomas e cuidados preventivos e de acompanhamento aos casos, que já somam 66% do total de internados na UTI da unidade do Governo de Goiás

Foto: Iron Braz.

O Hospital Estadual da Criança e do Adolescente (Hecad) alerta pais e responsáveis para evitarem a contaminação de crianças por agentes causadores de doenças respiratórias. A diretora-geral da unidade, Mônica Costa, destacou que as internações por síndromes respiratórias na Unidade de Terapia Intensiva correspondem a mais de 66% do total. Mas os registros de contaminação ocorrem desde o início do ano, com picos em março e abril, quando o atendimento ultrapassou 43% do total no pronto-socorro.

Segundo o diretor técnico da unidade do Governo de Goiás, André Resende, o cenário é influenciado pela chegada do outono e a sazonalidade da circulação de determinados vírus. “É uma época típica de intensificação da disseminação de vírus que acometem mais as crianças, como o da influenza e o vírus sinicial respiratório”, explica o pediatra.

“Os pais devem manter o cartão de vacinas das crianças sempre atualizado, criar o hábito de higienizar corretamente as mãos e fazer também a higienização das mãos das crianças, além de preferir ambientes bem ventilados e evitar aglomerações”, aconselha. “Outro ponto muito importante é não enviar a criança para a creche, berçário ou escola, se ela está doente, porque ela irá contaminar outras crianças e ampliar ainda mais a disseminação de doenças respiratórias”, orienta, ainda, o médico. 

Os sintomas mais comuns de doenças respiratórias são coriza, congestão nasal, tosse e febre. “A febre, em uma gripe comum, dura de um a três dias. Quando a mãe já tentou controlar esse quadro febril com antitérmico e mesmo assim a febre persiste por mais tempo é um sinal de alerta, e os pais devem procurar ajuda médica”, detalha André Resende. 

Outros pontos de atenção são falta de apetite, cansaço e dificuldade para respirar. “Nesses casos, é importante que a criança seja avaliada por um profissional na Unidade Básica de Saúde (UBS ou Cais) mais próxima, ou em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Nos casos de média e alta complexidade, a UBS ou UPA fará o encaminhamento da criança para unidades como o Hecad”, afirma.

Cuidados com as crianças
•    Manter o cartão de vacinas atualizado
•    Intensificar a higienização das mãos
•    Evitar aglomerações
•    Manter o cartão de vacinas atualizado
•    Afastar a criança com sintomas de gripe da escola/creche 
•    Dar preferência a ambientes bem ventilados
•    Evitar contato com pessoas com sintomas de gripe

Quando procurar ajuda médica
•    Recusa alimentar 
•    Prostração (mesmo que sem febre)
•    Dificuldade para respirar
•    Febre persistente por mais de 72 horas
•    Sonolência excessiva

Edilayne Martins

"Não viva para que a sua presença seja notada, mas para que a sua falta seja sentida." (Bob Marley)

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Bio Caldo - Quit Alimentos