Pandemia: escrita terapêutica para superar o luto



Terapeuta afirma que a escrita expressiva pode ajudar a aliviar a dor da perda de um ente querido


A pandemia vitimou mais de meio milhão de pessoas no Brasil. Passando pelas redes sociais, tornou-se cada vez mais frequente um post lamentando a perda de um ente querido. A dor é algo individual, cada um sente de uma forma. Contudo, pesquisas sugerem que externar sentimentos profundos, por meio da escrita, pode aumentar a função imunológica. 


Na avaliação da terapeuta e escritora Lella Malta, a escrita pode melhorar o humor e o bem-estar. “Escrever é um poderoso exercício de autoexpressão, nos ajuda a organizar sentimentos e ideias, manifesta emoções reprimidas e faz uso da catarse como ferramenta para uma mudança terapêutica positiva.”, explica


Além disso, a especialista afirma que a escrita pode  aliviar o estresse “Ao organizar ideias e pensamentos é possível enfrentar a ansiedade e facilitar a dolorosa experiência do luto. É um recurso poderoso, mas também simples e democrático, no longo e árduo processo que é o autoconhecimento”, afirma Lella.


Uma das dicas da terapeuta que podem auxiliar no processo de aceitação do luto é escrever uma carta direcionada à pessoa que morreu. “Registre em um papel suas memórias, agradecimentos, desculpas e qualquer palavra que desejaria dizer para a pessoa amada que já não está presente. Outra possibilidade seria escrever uma carta diferente, agora apontando o que acredita que aquele alguém gostaria de falar para você hoje”, aconselha. 


“Por permitir a releitura, a escrita possui maior caráter reflexivo, quando comparada ao discurso falado”, explica Lella. Apesar de parecer complicado nas primeiras tentativas e, às vezes, até vergonhoso, o exercício da escrita pode ser aliviante. “A pessoa pode começar com o hábito de escrever um diário, que  tem se mostrado bastante benéfico para a saúde e para o bem-estar, tendo um efeito positivo a longo prazo na disposição e autoconfiança, já que o adepto fica com uma maior e melhor noção dos seus sentimentos e da forma como estes interferem na sua rotina. Faz uso da catarse como ferramenta para uma mudança terapêutica positiva”, afirma Malta.



Sobre Lella Malta

É cientista social, escritora, preparadora literária, educadora e terapeuta de escrita expressiva. Focada na saúde mental das mulheres, se dedica ao estudo da psicanálise e da psicologia positiva. Autora de três livros, os romances: “Qual é o nome da vez?” e “Você tem fama de quê?”. Além de uma obra autobiográfica que retrata a realidade de pessoas que lidam com a ansiedade: “Prazer, Paniquenta: Desventuras Tragicômicas de Uma Ansiosa”


Postar um comentário

0 Comentários