Agnelo vai ser investigado

CLDF quer apurar desvios denunciados por ex-presidente de empreiteira

Após a delação premiada do ex-presidente da empreiteira Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, citar que o ex-governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, estaria envolvido em supostos desvios de recursos públicos destinados ao estádio Mané Garrincha, a presidente da Câmara Legislativa, Celina Leão, decidiu instaurar a CPI da Copa para investigar tais ilegalidades. A parlamentar já possuía treze assinaturas de outros deputados, número mínimo para abrir o inquérito. A apresentação do requerimento deve ser feita ainda nesta semana.

Na delação, Otávio Azevedo detalhou a participação do ex-governador em um esquema de desvio de dinheiro. Segundo Azevedo, Agnelo teria recebido comissões para favorecer a empresa nas obras dos estádios da Copa do Mundo, realizada em 2014 no Brasil. A arena brasiliense teve custo final de R$ 1,7 bilhão, se tornando o estádio mais caro construído para o mundial. A CPI deve investigar os gastos efetuados desde 2007, quando começaram a ser feitos os projetos do estádio.

Celina Leão lembra que, de acordo com o Tribunal de Contas do DF, estima-se que o custo da obra foi 153% maior do que os R$ 670 milhões previstos inicialmente no projeto, sendo o estádio mais caro construído para a Copa do Mundo.