Autoritarismo de Marconi faz PSDB de Goiás esvaziar

A senadora Lúcia Vânia foi a primeira a trocar o PSDB pelo PSB em busca de maior protagonismo político. Com a aprovação pelo Congresso Nacional da janela para troca de partidos, os tucanos perderam também três deputados federais nos últimos dias

Apesar de evitar críticas públicas, todos os parlamentares de alguma forma deixaram o PSDB por discordância com o governador Marconi Perillo na condução dos rumos da legenda em Goiás.

O deputado federal Delegado Waldir Soares foi o primeiro a beneficiar-se da janela e trocou o PSDB pelo PR. Pré-candidato a prefeito de Goiânia, ele foi alijado do processo de escolha interna – isso por que o candidato ungido por Marconi era o deputado Giuseppe Vecci, que acabou anunciado pré-candidato após todos os concorrentes desistirem diante da interferência explicita do Palácio das Esmeraldas.

Alexandre Baldy trocou o PSDB pelo PTN. Há tempos que o parlamentar não se entende com a cúpula tucana em Goiás. No ano passado Baldy tinha planos de comandar a legenda, mas Marconi definiu que o presidente seria o ex-deputado Afrêni Gonçalves. Claro, prevaleceu a vontade do governador.

O último a anunciar mudança foi o deputado João Campos. Evangélico e delegado, Campos integrará a bancada do PRB. O deputado já foi cogitado para assumir o comando da Segurança Pública no Estado, mas em todas as oportunidades foi preterido. Na última, perdeu a vaga para o vice-governador José Eliton. Além disso, todas as vezes que João Campos buscou candidatura majoritária, em Goiânia ou Aparecida, foi ignorado pela cúpula tucana.

Até aqui, os deputados federais Fábio Sousa e Célio Silveira decidiram continuar no PSDB. Porém, também não escondem mais a insatisfação com os rumos da legenda no Estado – completamente subserviente às vontades do governador e sem nenhum espaço para as demais lideranças.