Mais de 473 mil estudantes voltam às aulas nas escolas estaduais

As aulas na rede estadual de ensino começam nesta quarta-feira, dia 20. Mais de 473 mil estudantes foram matriculados em 1.160 escolas até o momento, sendo 172 de tempo integral

Do total de vagas, 72.820 foram preenchidas por alunos novatos. Segundo a Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), o número de matrículas pode aumentar até o final de fevereiro porque aqueles que perderam o período de solicitação de vagas pela internet podem fazer as matrículas diretamente nas escolas.

O período de matrículas começou em novembro do ano passado e passou por dois processos. No primeiro deles, via internet ou telefone, o aluno selecionou três opções de escolas onde desejaria estudar. Baseado na demanda, o sistema distribuiu automaticamente as vagas.

Efetivação
A segunda etapa foi a efetivação da matrícula, que só poderia ser feita presencialmente pelos pais ou responsável na unidade selecionada até a última sexta-feira, dia 15. “Como a efetivação só pode ser concluída pelo diretor ou coordenador dentro da escola, que é onde ficam os documentos, temos uma situação variável no caso das ocupadas”, disse.

De acordo com a secretária Raquel Teixeira, já que as matrículas não puderam ser efetivadas nas 25 escolas ocupadas, os alunos têm a opção  de solicitar a transferência para outra unidade. “É só escolher e ir até lá com os documentos solicitando transferência. A equipe estará preparada para efetivar a matrícula. Todos os alunos serão atendidos no seu direito de estudar”, frisou.


Escolas ocupadas
O período para a transição vai até sexta-feira, dia 22. Já o aluno que insiste em estudar na unidade ocupada terá que aguardar. “No momento em que a escola for desocupada e reorganizada, a Secretaria vai realizar um novo calendário escolar específico para cada caso. A partir do novo calendário, a gente começa as aulas naquela escola ocupada”, completa.

Outro serviço que foi comprometido por consequência das ocupações diz respeito à emissão de documentos específicos, como certificados e transferências. Raquel explicou que no início do ano é comum que os alunos em fase de transição do ensino médio para as universidades procurem as escolas para garantir os documentos necessários.

​​​​​​”Para essas pessoas não temos como oferecer os documentos, porque ficam arquivados na escola. O que pedimos é que nos encaminhe por escrito a solicitação. A Secretaria responderá por escrito que está impossibilitada de oferecer aquele documento por razões logísticas. De posse dessa negativa administrativa, o aluno pode recorrer aos meios judiciais para efetivação de matrícula na universidade. Podemos e vamos oferecer uma declaração”, concluiu.
Confira aqui o calendário escolar.